Quarta-feira, 30 de Junho de 2004

Adamastor

Adamastor.gifAdamastor no Cabo da Boa EsperançaJá a vista, pouco a pouco, se desterraDaqueles pátrios montes, que ficavam;Ficava o caro Tejo e a fresca serraDe Sintra, e nela os olhos se alongavam.Ficava-nos também na amada terraO coração, que as mágoas lá deixavam.E, já depois que toda se escondeu,Não vimos mais, enfim, que mar e céu.Assim fomos abrindo aqueles mares,Que geração alguma não abriu,As novas Ilhas vendo e os novos aresQue o generoso Henrique descobriu;De Mauritânia os montes e lugares,Terra que Anteu num tempo possuiu,Deixando à mão esquerda, que à direitaNão há certeza doutra, mas suspeita.Passámos a grande ilha da Madeira,Que do muito arvoredo assim se chama;Das que nós povoámos a primeira,Mais célebre por nome que por fama.Mas, nem por ser do mundo a derradeira,Se lhe avantajam quantas Vénus ama;Antes, sendo esta sua, se esqueceraDe Cipro, Gnido, Pafos e Citera.Deixámos de Massília a estéril costa,Onde seu gado os Azenegues pastam,Gente que as frescas águas nunca gostaNem as ervas do campo bem lhe abastam;A terra a nenhum fruto, enfim, disposta,Onde as aves no ventre o ferro gastam,Padecendo de tudo extrema inópia,Que aparta a Barbaria da Etiópia.Passámos o limite aonde chegaO sol, que para o norte os carros guia;Onde jazem os povos a quem negaO filho de Climente a cor do dia.Aqui gentes estranhas lava e regaDo negro Samagá a corrente fria,Onde o Cabo Arsinário o nome perde,Chamando-se dos nossos Cabo Verde. (continua)Luís Vaz de Camões
publicado por In Loko às 06:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 27 de Junho de 2004

Odes!

designforasaloon.jpgOdes de Ricardo ReisSúbdito inútil de astros dominantes,Passageiros como eu, vivo uma vidaQue não quero nem amo,Minha porque sou ela,No esgástulo de ser quem sou, contudo,De em mim pensar me livro, olhando no altoOs astros que dominamSubmissos de os ver brilhar.Vastidão vã que finge de infinito(Como se o infinito se pudesse ver!) -Dá-me ela a liberdade?Como, se ela a não tem?Estás só. Ninguém o sabe. Cala e finge.Mas finge sem fingimento.Nada esperes que em ti já não exista,Cada um consigo é triste.Tens sol se há sol, ramos se ramos buscas,Sorte se a sorte é dada.
publicado por In Loko às 06:05
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2004

Poesia e Prosa

seixos.jpgPoesia e ProsaO olhar desprende-se, cai de maduro.Não sei que fazer de um olharque sobeja na árvore,que fazer desse ardorque sobra na boca,no chão aguarda subir à nascente.Não sei que destino é o da luz,mas seja qual foré o mesmo do olhar: há neleuma poeira fraterna,uma dor retardada, alguma sombrafremente aindade calhandra assustada.Então sentados quase lado a ladono chão à espera que passe um barco,a luz muito quietano colocomo se fora um gato, o sorrisoantigo, a casaà beira do crespúsculoatenta aos passos nas areias;era outra vez abril,chovia no jardim, já não chovia,um aroma, apenas um aroma,tornava espesso o ar.Uma criança me leva rio acima.Eugénio de Andrade
publicado por In Loko às 04:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 21 de Junho de 2004

Cantos

Cverdecapa.gifCANTOS (última parte)A assentando nos rudes escabelos,Sob os arcos de murta e sobre as relvas,Longamente sonhámos sonhos belos,Sentindo a fresquidão das verdes selvas.Quando ao nascer da aurora, unidos ambosNum amor grande como um mar sem praias,Ouvíamos os meigos ditirambos,Que os rouxinóis teciam nas olaias,E, afastados das aldeias e dos casais,Eu contigo, abraçado como as heras,Escondidos nas ondas dos trigais,Devolvia-te os beijos que me deras;Quando, se havia lama no caminho,Eu te levava ao colo sobre a greda,E o teu corpo nevado como arminhoPesava menos que um papel de seda...talvez já te esquecesses dos poemetos,Revoltos como os bailes do Casino,E daqueles byrónicos sonetosQue eu gravei no teu peito alabastrino.De tudo certamente te esqueceste,Porque tudo no mundo morre e muda,E agora és triste e só como um cipreste,E como a campa jazes fria e muda.Esqueceste sim, meu sonho querido,Que o nosso belo e lúcido passadoFoi um único abraço comprimido,Foi um beijo, por meses, prolongado.E foste sepultar-te, ó serafim,No claustro das Fiéis emparedadas,Escondeste o teu rosto de marfimNo véu negro das freiras resignadas.E eu passo, tão calado como a Morte,Nesta velha cidade tão sombria,Chorando aflitamente a minha sorteE prelibando o cálix da agonia.E, tristíssima Helena, com verdade,Se pudera na terra achar suplícios,Eu também me faria gordo fradeE cobriria a carne de cilícios.Cesário Verde
publicado por In Loko às 04:51
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Domingo, 20 de Junho de 2004

Cantos

Cverdecapa.gifCANTOS (seguimento)Quando, à brisa outoniça, como um manto,Os teus cabelos de âmbar, desmanchados,Se prendiam nas folhas dum acanto,Ou nos bicos agrestes dos silvados.E eu ia desprendê-los, como um pagemQue a cauda solevasse aos teus vestidos,e ouvia murmurar à doce aragemUns delírios de amor, entristecidos;Quando eu via, invejoso, mas sem queixas,Pousarem borboletas doudejantesNas tuas formosíssimas madeixas,Daquela cor das messes lourejantes,E no pomar, nós dois, ombro com ombro,Caminhávamos sós e de mãos dadas,Beijando os nossos rostos sem assombro,E colorindo as faces desbotadas;Quando, Helena, bebíamos, curvados,As águas nos ribeiros remansosos ,E, nas sombras, olhando os céus amadosContávamos os astros luminosos.Quando, uma noite, em êxtases caímosAo sentir o chorar dalgumas fontes,E os cânticos das rãs que sobre os limosQuebravam a solidão dos altos montes. (continua)Cesário verde
publicado por In Loko às 05:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 19 de Junho de 2004

Cantos

Cverdecapa.gifCANTOSTalvez já não te lembres, triste Helena,Dos passeios que dávamos sozinhos,À tardinha, naquela terra amena,No tempo da colheita dos bons vinhos.Talvez já não te lembres, pesarosa,Da casinha caiada em que morámos,Nem do adro da ermida silenciosa,Onde nós tantas vezes conversámos.Talvez já te esquecesses, ó bonina,Que viveste só no campo comigo,Que te osculei a boca purpurina,E que fui o teu sol e teu abrigo.Que fugiste comigo da Babel,Mulher como não há nem na Circássia,Que bebemos, nós dois, do mesmo fel,E regámos com prantos uma acácia.Talvez já te não lembres com desgostoDaquelas brancas noites de mistério,Em que a Lua sorria no teu rostoE nas lages campais do cemitério.Talvez já se apagassem as miragens Do tempo em que eu vivia nos teus seios,Quando as aves cantando entre as ramagensO teu nome diziam aos gorjeios. (continua)Cesário Verde
publicado por In Loko às 05:45
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2004

Poesia

metamorphose.jpgPOESIAMas eu, em cuja alma se reflectemAs forças todas do universo,Em cuja reflexão emotiva e sacudidaMinuto a minuto, emoção a emoção,Coisas antagónicas e absurdas se sucedem -Eu o foco inútil de todas as realidades,Eu o fantasma nascido de todas as sensações,Eu o abstracto, eu o projectado no écran,Eu a mulher legítima e triste do Conjunto,Eu sofro ser eu através disto tudo como ter sede sem ser de água.(Álvaro de Campos)
publicado por In Loko às 06:19
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds