Terça-feira, 26 de Outubro de 2004

Adeus

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: MEU AMOR,
já se não passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus...
publicado por In Loko às 05:50
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quarta-feira, 20 de Outubro de 2004

Poesia

Depus a máscara e vi-me ao espelho.
Era a criança de há quantos anos.
Não tinha mudado nada...
É essa a vantagem de saber tirar a máscara.
É-se sempre a criança,
O passado que foi
A criança.
Depuz a máscara, e tornei a pô-la.
Assim é melhor,
Assim sem a máscara.

E volto à personalidade como a um térrminus de linha.

Álvaro de Campos
publicado por In Loko às 05:47
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 12 de Outubro de 2004

Odes!

Do que quero renego, se o querê-lo
Me pesa na vontade. Nada que haja
Vale que lhe concedamos
Uma atenção que doa.

Meu balde exponho à chuva, por ter água.
Minha vontade, assim, ao mundo exponho,
Recebo o que me é dado,
E o que falta não quero.

O que me é dado quero,
Depois de dado, grato.

Nem quero mais que o dado,
Ou que o tido desejo.

----------+---------

Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim,mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer,
O que nunca poderei ser.

Ricardo Reis
publicado por In Loko às 06:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 7 de Outubro de 2004

Poesia

PÚRPURA SECRETA

É na treva um fogo breve.

Um fogo doce de palha,
húmido,
quase animal.

Uma concha suavemente
trabalhada
pelas abelhas da sombra.

Insegura flor abrindo.
Quase boca, quase língua,
agressiva, transviada.

Aglutinada
púrpura secreta,
clamando
por luz violenta.

Um punhal extenuado
de ferir
lábio a lábio.

Explosão lenta.

Eugénio de Andrade
publicado por In Loko às 04:32
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 4 de Outubro de 2004

Sonho meu...

Sonhei contigo pousando teu sorriso,
em meus lábios.
Vinhas das sombras dos rochedos,
molhados pela espuma do mar,
onde tantos beijos trocamos.

Teus cabelos longos e ondulados,
refrescavam meu corpo dourado,
do sol por ti tapado.
Foram as tuas mãos, ou sombra,
que em mim se deitou?
E que meu corpo despertou,
Lascivo e excitado?

E terá sido a música do toque dos teus lábios,
que me levou, em passeio, pelas bordas das ondas...
que meu sossego inquietou,
na dança dos abraços... rodopiando?

Se sonho estou bem,
Se não sonho bem estou, contigo ó miragem!
És feita de quê sombra?
Areia, seixos, luz... ou de lembranças?

Deixa-me estar então...
Quero continuar a lembrar-te assim...
Refrescante em mim!...

Carlos Reis
publicado por In Loko às 05:50
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds