Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

Amanhecer Contemplado

jogos_cores.jpgAos poucos o manto nebuloso vindo do nada vai-se levantando com parcimónia,Num levantar de véu ritual de quem enrola a sua vontade por que assim o deseja,Lento o rio mostra o seu rosto de brilhos ondulados de acalmia em águas já estendidas, Gentileza recebida em saudações de abraços que a terra molhada festeja,Sulcando as margens do outro lado que ainda disformes tomam corpo pedregoso,No serpentear da água que cria efeitos dourados nas pedras mais reluzentes,Cinzeladas pelo vai vem do leito contínuo e teimoso…E as sombras fantasmagóricas dos montes vão-se desvanecendo,Mostrando a imensidão da beleza dos seus corpos bem desenhados no horizonte,Paisagens de verdes azulados brilhantes que se acavalam em carrosséis sem fim,São degraus enormes que cubro com o olhar cada vez mais deslumbrado,Na magistralidade do vulto montanhoso que ao longe se vai revelando,Imponente no seu dorso maciço que se ergue rasgando o céu estremunhado…Os feixes de azuis esventram pela espada do alvorecer o que resta da neblina,Anunciando dia novo pelas pinceladas coloridas por tudo quanto é sítio,Árvores na sua altivez espreguiçam-se e penteiam-se com a ajuda das mãos do vento,Deixando cair algumas folhas secas e lágrimas da humidade da noite de frio, Embelezando-se abrindo os cabelos floridos das pétalas nas vaidosas flores,Os galináceos em coros repetitivos de”cocorócocos” saúdam-se e saúdam-me,Ecos de companheirismo aos ladrares dos cães que se espalham em clamores,Na bela sinfonia viva de vozes e cantares naturais que absorvo a contento…E Eu minúsculo cá em baixo sentado no chão do tempo,Deixo-me envolver por tudo isto e sons das rãs e aves que se deitam e acordam,Nos sopros da brisa fresca que animam os meus sentidos despertos e contentes.Em emoções que canto em silêncio nada omitindo à espiritualidade do momento,São violinos da alma que em estribilho louvam o pulsar das vidas emergentes,Sinto-me como mais um monte de átomos unos com a natureza que me rodeia,Neste cenário de alegria indizível, teatro de aplausos solenes que meu sangue incendeia!Carlos Reis(Imagem: Web)
publicado por In Loko às 06:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 6 de Setembro de 2008

Tela

sereno_contemplar.jpgNasce mais um dia e com ele as tintas dos olhos coloram-se de brilhos,Fios multicoloridos tomam formas no horizonte do olhar como cascatas de água,As sombras da noite encolhem-se envergonhadas pelas pinceladas raiadas de matizes,E constroem-se vultos feitos do nada nos desenhos das nuvens navegantes,Como brinde de um novo dia sorridente dado de graça…Como cachos de uvas maduras, castelos laboriosos de fadas,Esperando ser colhidas com abraços de afectos,Como favos de mel suplicando por mãos cautelosas na entrega,Como ninhos de pássaros vaidosos nos enfeites que as crias enlevam,Como as cabeleiras das plantas abertas e esvoaçantes pelos sopros do vento,Como as tocas labirínticas das raposas engenhosas que a carne surripiam sem desgraça,Como as mulheres com seu jeitinho especial de atracção e conquista espalham o aromaDa alegria e emoções de feitiços de fórmulas desconhecidas,Como os miúdos nos seus encantos nos levam no carrossel de mãos dadas em brincaresSem tempo… onde os mais velhos são o espírito dos caminhos…Os companheiros da noite que nos envolvem no seu embalo sem nada pedirem,No céu bailado de luz pela lua e estrelas e mar cantado, marcam os nossos passos livres,Onde a música, um dos mais belos bálsamos da vida, dada pelo renascer do dia novo, É dádiva de todos nós enquanto consciência viva e desperta da alma da estrada em que caminhamos juntos…E as lágrimas quando caídas pelos rostos são as pautas das musicalidades da vida!... Carlos Reis(Imagem Web)
publicado por In Loko às 06:55
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds