Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Reescrevendo Sinais

luzdeslizante.JPG

 

A sensação que tenho alma (quando retorno de breves ausências) e olho o Rio que me viu nascer na mui sempre majestade do seu andar, é desfrutar da alegria da seiva que alimenta as crianças na redescoberta do brinquedo.

 

É o lume do sangue que se empolga em mim no deslizar dos sentires tocados, nas cores que se desfazem e recriam-se nos jogos ondulados até ao mar… É pegar nos pincéis da mente e, na tela do horizonte, reinventar novas visões.

 

Alargar as margens pelas encostas do céu já na palidez da quase noite que desboto-a, e refazer os braços dos brilhos do sol, como espadas de fogo desbravando caminhos que nos tentam flamejantes a caminhar para lá dos mares… Montar jangadas e barcos de velas altas e navegar em novas epopeias do pensar. Nem o desconhecido, nem os fantasmas crucificados pelos tempos me podem parar.

 

Ferve-me o sangue e nos riscos escritos solto o espírito aventureiro e sem remissões lá vou eu no meu livre passear até onde a infinidade do imaginário me deixar pintar.

 

Soltas as amarras no cais onde o cheiro da água me inebria e os odores do pescado nos suores dos pescadores ainda encadeados, lanço grito de socorro às estrelas que me hão-de guiar cego sem planos , até onde ressoar os ecos do bramido do consolo da euforia.

 

Olho à minha volta e na azáfama de brilhos no casario que parece gritar de tanto aperto, vislumbro silhueta feminina de olhos de mel que me envolve e paralisia.

 

E o diabo de um manto de lembranças cobre-me de imagens que não queria… recordo… vi-te fugaz no outro lado da rua e lembrei-me da tua sombra naquela madrugada escaldante de palpitações como nunca sentira. Estonteantes em mim que de louco me pensara. Divinas no palco do teu corpo que intensamente me enrolara submisso, em preces de nós, nas volúpias que provara.

 

Hoje, se fosse hoje, apontar-te-ia directamente a minha arma dos afectos ao peito, e exigir-te-ia rendição incondicional com o meu olhar pedinte de paixão e jamais, juro… jamais bela criatura da terra me fugirias!!!

 

Carlos Reis

 

 

 

publicado por In Loko às 07:57
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Entediado

casalnapraia1.jpgUm dia destes piro-me daqui!!!Quando me encher do reboliço das cidades e do martelar sistemático dos ruídos repetidos nas frenéticas correrias diárias, se puder, gostaria de juntar algumas trouxas e partir a grande velocidade.Nem sei bem o que levaria e para onde iria. Para longe sei que sim e para sítio isolado. A primeira coisa que destruiria seriam os relógios, cada vez detesto mais os relógios, tenho sempre a sensação que não passam de fantasmas espiões malévolos.Sei que levaria alguns livros, a minha viola, e uns quantos discos de música.Como me é impensável ir para lugar isolado sozinho, a longo tempo, teria de piscar o olho a alguma companheira… uma sereia, uma golfinha, uma girafa, sei lá… desde que seja bonita não me importo com o aspecto… se os meus olhos gostarem logo será linda para mim! No mar, em terra, ou mesmo no ar em algum satélite – acoplar-me-ia e montaria aí a tenda… não é muito aconselhável mas é uma hipótese radical.Há a lua minha namorada eterna, talvez pegando boleia de algum foguetão vá lá parar sem me machucar muito.A lua que desde novito sempre exerceu em mim um fascínio deslumbrante… quantas vezes me parece que esticando os braços a podia tocar e sentir o pulsar do seu corpo duro de luz pérola de excelsa atracção… ou de noites de luar luminoso em que os meus olhos passeiam-se por ela a seu belo prazer como se a calcorreasse por caminhos já muito conhecidos de mim.É um encanto O imaginar andar lá em cima e contemplar tudo à volta…as estrelas mais perto e brilhantes em bailares disformes e reluzentes, a bela Terra nos seus inúmeros véus atmosféricos de soberbos azuis estendidos, as auroras-boreais brincando em baloiços de cores etéreas indefinidas, pedaços do horizonte aparentemente vazio e escuro caminhos para explorar… e como se sabe hoje há gelo por lá, ou seja, até podia fazer esqui para meu deleite!Talvez opte pela montanha maciça e alta, olhar para o mundo cá em baixo e arredores e sentir-me alto, muito alto e senhor da minha conduta sem interferências de terceiros… onde haja um lago enorme de águas doces e cristalinas (a minha piscina particular) margeado de areia branca e fina… relva viçosa e plantas aromáticas multicoloridas para deambular em passeios de lazer e reflexões, sozinho, ou com a companheira… livres sem roupas… idílico lugar para viver e sonhar até que a carne definheMas a minha preferência iria para a procura de uma ilha deserta e perdida nas imensidões dos oceanos… adoro estar envolto pela liberdade dos espaços abertos sem limites, pelo céu polvilhado de cores e brilhos no sublime cantar esvoaçante das aves, pelo mar que não acaba e sempre fecundo em experiências novas e inimagináveis, pelos verdes selvagens das florestas e animais que não tenham mau feitio, e se for virgem é o ideal… mas isto da virgindade nos dias de hoje é muito complicado… é um achado raro encontrar algo ou alguém que já não tenha sido provado!Mas como não sou muito esquisito uma ilha quase virgem chegar-me-ia muito bem!E é aqui que entro em conflito comigo próprio. Debato-me frequentemente com estes dilemas…pergunto-me (é uma vozita na cabeçola) se estarei realmente preparado para avaliar os inconvenientes e seduções do viver nas grandes cidades., e sinceramente, não sei!A vida está cheia de paradoxos… um dos que mais cisma me faz é saber que com o andar do tempo – na aprendizagem, no conhecimento, na experiência; vamos descobrindo sempre mais portas e caminhos para explorar quanto maior consciência e saber temos das coisas que conhecemos, e em paralelo, sabemos que o nosso tempo físico é finito… e isto irrita-me profundamente… quanto mais sabemos e que muito mais há para descobrir o tempo foge-nos… Deus aqui brincou, foi muito mauzinho para connosco! Já provei e saboreei de tantas verdades e certezas e ilusões e falsidades que não lhes distingo as fronteiras, creio que existem todas em plenitude, aliás como outras percepções e sensações e saberes, em simultâneo - mas em níveis diferentes no espaço do viver - entranham-se e complementam-se nos labirínticos círculos da vida.E eis-me aqui a jogar aos dados em dilemas paradoxais... na procura de um sítio para me mandar!!!Carlos Reis(Imagem: Web)
publicado por In Loko às 10:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds