Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

Incógnitas - Nobreza na Noite

tranquilidade_bela.jpg

 

Solta-se a mente e solta-se o espírito no corpo da noite que começa.

Vestida de brilhos e cores espalhadas que prende os olhares descuidados, tece atraentes
artimanhas em jogos de sombras e luz que fazem os passos deambular sem pressas… tudo é compasso calmo sem receio dos riscos do tempo limitado.
Os encontros dão-se, os engates fazem-se, as conquistas idolatram-se em qualquer canto… os espaços são palcos livres para os seres em liberdade os moldarem com a sua presença em esquemas de escolhas, planeados ou não, de vontades e quereres… nos sons, em toques, em olhares, nos silêncios, em danças de alma efusiva sempre adepta a descobertas do momento.
A candura do céu vivo de olhares brilhantes, como manto enorme de belo aconchego, inspira-me e envolve-me… recria vibrações no ar e nas entranhas como se algo de mim se desprendesse… como se as mãos frescas da noite me remexessem por dentro à procura de pedaços para idealizarem o invisível do meu olhar indefinido pelas margens da água, para além do mar imenso e sedutor.
E a mente mergulha em divagações vertiginosas – pensamentos e reflexões do cérebro cósmico em mim… afinidades dos seres vivos e pensantes, unos na matéria criativa e evolutiva, que alimenta o fulgor de quaisquer formas que pulsam e vivem independentemente do seu tamanho.
Olho as ondas do mar que brincam – no vir e ir alegre – no corpo do areal que se delicia no balancé constante, como crianças se abraçando… é encanto sim este ondular conivente e partilhado… são companheirismos de datas longínquas que nunca se cansam destes entusiasmos familiares, que não dispensam, para deleite das suas géneses.
Têm em si a massa microscópica das partículas mais elementares da seiva subatómica que, juntas em compromissos livres, construíram e desenharam todos os paraísos que conhecemos incluindo nós, o complexo e sensível humano.
É espantoso o poder destas minúsculas forças, quase invisíveis, partículas cheias de energia inesgotável que se estendem por tudo quanto é sítio… a elas se deve também o abismal plano, muito bem urdido, do misterioso e famoso e grandioso teatro de todo o Universo - O Cosmos de muitos Universos.
E no Épico desta desmesurada teia de feitos de origem desconhecida está algo que é tão belo e deslumbrante e misterioso – que não se pode medir nem quantificar - aquilo a que chamamos Amor… A Essência mais pura da Vida… tenha as formas que tiver em toda a sua plenitude!
O esplendor do Amor - em toda a sua diversidade de ramos infinitos e celestiais e humanos… estende-se por todo o Cosmos que respira e pulsa de vida!
E a emoção no meu peito é tanta, enquanto reflicto nesta visão que me é dada, que respiro golfadas de ar que se me entranham, quase sufocando a consciência deste sentir… deste perceber das minhas origens!
Na noite, também ela com o seu véu de mistério, olho o mar no seu poderio rasgando o ar vivo no céu pleno de vida da mesma matéria que me alimenta… e em tudo; como o pó dos átomos e moléculas, que inflama e ateia o fogo do meu sangue, nascem e crescem sementes viris e prenhes que sustentam toda a orgânica da existência.
Sim, há imensa eternidade em nós, dado pelos genes ancestrais e virgens que nos originaram, e nós, simples elos das correntes da vida, seremos perpetuados pelos tempos pela descendência que criarmos.
E desta comunhão sublime brota o feto mais belo concebido no ventre mais estranho e mágico que existe - AMAR… o grão palpitante, criador e inovador, a raiz da vida, a dinâmica do Ser!
“Viestes do pó (partículas de energia) e do pó vingareis (átomos criadores de vida)”

 

Carlos Reis

 

tags:
publicado por In Loko às 08:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds