Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

HORAS

serena_sensualidade.jpg

 

A insuportabilidade deste calor sufocante dá-me cabo da mecânica física e mental com grande rapidez. Gosto bastante do sol forte e tempo quente mas, e infelizmente para mim, as minhas glândulas sudoríparas não morrem de amores com calor mais intenso, e o resultado é abrirem as torneiras e fico ensopado num instante.
Mas não posso rotular o quente mais intenso de horrível porque tem os seus aspectos positivos. Entre outros, o equilíbrio de certos ecossistemas que precisam deste calor abrasador para nivelar certas manifestações que a natureza exige.
E também aos meus olhos de homem, proporciona-me visões de prazer no feminino.
As mulheres despem-se nesta altura quase até à nudez e eu sou fanático pela beleza do corpo feminino, com muita ou pouca roupa (se não tiverem nenhuma tanto melhor), há excelso encanto no corpo e pele sedoso da mulher, modulado e ondulado com mestria pela Natureza Criadora.
No entanto, o sublime deleite nestes dias à beira-mar está quando o sol se deita e as brisas frescas começam a tocar-me… são abraços e carícias saborosas que me fazem estremecer e respirar profundamente, nasce sedução e volúpia nestes momentos, como se mãos feiticeiras engendrassem magia no sangue… há exaltação tal na minha carne que me atrevo a dizer que não são tantas assim as mulheres que me põem neste estado de graça excitante.
As praias começam a despir-se do gentio e com o areal mais deserto, cá de cima do passeio o bichinho da água começa a tentar-me… e da tentação à prática vai um instante… descalço-me, arregaço as calças, e lá vou eu lampeiro molhar os pés e subir ao primeiro rochedo que entre pelo mar… mesmo correndo alguns riscos de escorregar vou até à ponta, é prazer imenso estar rodeado das ondas traquinas que me salpicam de água.
A sensação inebriante do odor a salgado e do bailado das ondas provocadoras, mais o desfazer das cores que se estendem pelo tapete do mar até lá ao fundo do horizonte alaranjado inunda-me o peito por completo, e vale a pena correr o risco.
A minha companheira, que está aqui ao meu lado enquanto escrevo, sorri, ela lá saberá porquê!
É também nestas alturas que dispenso bem o computador, prefiro as folhas de papel que me dão mais liberdade na escrita pausada, o ecrã luminoso incomoda-me a relaxar e no fluir do pensamento abstracto… e como adoptamos a ideia de estender uma manta no chão mesmo em frente à janela para apreciar o fresco da noite nada melhor que escrever em folhas soltas.
Também podemos usufruir dum longo espaço do céu polvilhado de luz das estrelas matronas que nos fazem companhia… e como não podia deixar de ser das gaivotas, agora muito silenciosas, nos seus carrosséis de prazer total.
A casa está completamente às escuras exceptuando a TV, o DVD, e um candeeiro de pé de lâmpada única atrás de mim.
Nas pausas da escrita recosto-me nas almofadas e esvazio a mente… deixo que as memórias rolem à vontade, e tanto tanto vem me à cabeça… na fluidez das imagens e sensações o pulsar do sangue e coração vão acompanhando o ritmo das marcas e impressões que a fita das recordações e lembranças vão deixando… e sorrio umas vezes e entristeço-me noutras, e os olhos ficam brilhantes com alguma lagrimazita solta.
As lágrimas são as mensageiras eleitas das emoções, nem sempre de boas nem sempre de más, são de todas as emoções que transmitem verdades da nossa vida, não é por acaso que se diz que os olhos e lágrimas sãos os espelhos da alma.
É nestes momentos que percebo que o dia, e a vida, têm horas mágicas e secretas… tudo me ocorre, tudo me parece hoje e actual, é tudo tão límpido e claro que chega a assustar!
A companheira já adormeceu com o corpo colado ao meu… hummm  sabe-me tão bem sentir a sua carne colada à minha, pouso-lhe os lábios nos ombros e sorvo o seu cheiro de mulher perfumado e adocicado.
Vou cobri-la com um lençol para não arrefecer pois está quase nua, mas ainda não a acordo, fica assim com este ar sereno, feliz e satisfeito… eu também fiz por isto!
Sinto necessidade de continuar a escrever mais qualquer coisa, e agora no computador, até porque quero deixar lá este texto.
Mas antes vou à janela fumar a minha nicotina e olhar o céu feliz de brilhos, olhar o horizonte casario cheio de luzinhas, olhar a ponte e bocado do rio lá em baixo… e neste silêncio cheirá-lo… cheirar este cheiro a água que me dá e reconheço desde criança!
Se desse lado ouvirem algum estrondo, já sabem, fui eu que adormeci e caí!!!

 

Carlos Reis

 

tags:
publicado por In Loko às 09:44
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De som a 12 de Julho de 2010 às 08:01
em muitas horas de passeio diurno e nocturno pelo desassossego do dia, ou pelo sono que teima em não vir, na perturbação do calor que a brisa faz entrar pela janela e trazendo com ela as tais lembranças, para mim as doces com mesclas de melancolia, é saboroso beber aqui das tuas letras que correm fluentes no papel como se fosse o próprio pensamento a escrevê-las. E ouço por instantes que faço longos este trinar de cordas doce e envolvente e tão calmante. Ouço... e volto a ouvir..., até que a memória gravou e eu poder levá-lo comigo. E então... adormeço! Foi bom partilhar destas tuas "horas". Beijo.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Ir Assim

. Acenos

. Intemporalidades

. HORAS

. Toques

. Eu, Tu e a escrita

. Desfrutar Diálogo

. Bom Dia - Boa Noite

. Emancipação do Olhar

. Contentamento

.arquivos

. Maio 2013

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds